Quais são os desafios que você vê no processo de implantação do operador logístico?

O grande desafio é a adesão 100% dos franqueados, essencial para o sucesso do projeto. Para aderir, o franqueado precisa enxergar os benefício de preço, qualidade e prazo de pagamento.

O problema é que atingir um patamar nos quais os preços sejam iguais ou menores aos praticados anteriormente no curto prazo é bastante difícil. Na teoria, ao considerar o total de compras, o impacto no CMV seria baixo (em torno de 1,16%), contudo, esta análise não se aplicou na prática, pois cada loja tem um mix diferente de venda e trabalha com diferentes promoções. Por isso, o impacto em cada loja será diferente. Como o impacto não foi avaliado de forma especifica para cada loja, o processo, na visão do franqueado, até o momento foi feito de forma forçosa, gerando preocupação e ansiedade.

Já a qualidade, percebemos que no Vizinhando, houve uma queda na qualidade dos insumos oferecidos pelo operador logístico. Na nossa percepção os testes de qualidade dos novos produtos feitos até o momento foram insuficientes e pouco abrangentes. Deve-se atentar para esse desafio, pois acreditamos que a qualidade é um diferencial da marca e perder qualidade significar perder essência da “gastronomia de bar” que estamos buscando.

No que diz respeito ao prazo de pagamento, há o desafio de uma melhor negociação, pois os 15 dias anunciados, na pratica se tornam 10 dias, tendo em vista o prazo entre a emissão da nota e a entrega dos produtos. Uma sugestão seria tentar uma negociação para dividir o pagamento em duas vezes, como alguns fornecedores fazem habitualmente, facilitando assim a gestão de fluxo de caixa para os franqueados.

Que benefícios o operador logístico pode trazer para suas operações?

Os benefícios foram já amplamente apresentados. A nosso ver, o maior benefício no curto prazo é o tempo que o franqueado ganha ao eliminar a necessidade de ter que negociar com diversos fornecedores e ao pagar diversos boletos. No longo prazo, a rede terá maior poder de barganha diante dos fornecedores e a tendência é haver redução dos preços dos produtos, o que faz com que ganhemos competitividade no mercado.

O que você espera que o franqueador realize nos próximos meses?

Esperamos que a franqueadora atente para o fato de que diversas lojas da rede estão enfrentando sérias dificuldades financeiras, e que qualquer impacto financeiro resultante da implantação do operador logístico, por menor que seja, põe em risco a sobrevivência destas lojas. A nosso ver, lutar pela sobrevivência das lojas nesse período crítico deve ser prioridade número 1 da franqueadora, que deve alocar esforços e recursos, tanto quanto possível, para evitar que unidades em seus respectivos pontos comerciais venham a fechar e evitar que franqueados percam pouco a pouco a confiança na marca.

Contudo, apesar deste momento crítico, entendemos que o projeto de implantação do operador logístico não possa ser totalmente abandonado. Neste sentido, para garantir a continuidade do projeto e a adesão 100% dos franqueados, esperamos que sejam conduzidos estudos aprofundados e cautelosos dos impactos do operador logístico em cada loja, avaliando as particularidades de cada loja. Com base nestes resultados, deve-se elaborar um plano de ação particular para as lojas com dificuldades financeiras, nas quais o impacto do operador logístico no curto prazo possa vir a ameaçar sua sobrevivência. Redução de royalties em determinados produtos ou quaisquer outras concessões podem ser exemplos de planos de suporte para que tais lojas possam vir a aderir ao projeto. Tais estudos e planos de ação devem ser apresentados de forma transparente e clara para todos os franqueados, reconquistando a confiança dos mesmos na franqueadora. Acreditamos que somente dessa maneira, seria possível conseguir a adesão 100% dos franqueados, essencial para que não haja ruptura no sistema.

Como o franqueado pode ajudar no processo de implantação do operador logístico?

O franqueado deve auxiliar disponibilizando todos os dados e análises necessários para medir os impactos do operador logístico em sua loja. Além disso, o franqueado pode fazer um esforço reflexivo para antever os impactos operacionais ou quaisquer outros impactos negativos que o operador logístico pode vir a trazer para a sua loja, já buscando soluções junto à franqueadora com vistas a minimizar ou eliminar tais impactos. Quaisquer preocupações devem ser expressas de forma objetiva e respeitosa para a franqueadora, para que soluções possam ser antevistas.

Além disso, o franqueado pode ajudar nos testes de novos produtos, oferecendo sua loja como “espaço de laboratório”. Pode-se, por exemplo, testar alguns produtos em diversas lojas por um período, coletando opinião de clientes e informando a franqueadora, que será responsável por condensar as opiniões.

Por fim, acreditamos que se o processo de implantação do operador logístico for realizado de forma mais participativa, englobando franqueadora e franqueado, e não de forma tão imperativa, no qual o projeto é dado como “pronto e obrigatório”, mesmo diante de um cenário de crise, o processo poderá ser bem sucedido.

Deixe uma resposta